Prefeito de Balneário Camboriú, em segundo mandato, Fabrício de Oliveira (Podemos) também colocou o nome na praça para a disputa das eleições majoritárias em 2022. Ele começou a semana com um roteiro em Criciúma, onde foi entrevistado na Rádio Som Maior, no quadro Plenário, com os jornalistas Upiara Boschi e Adelor Lessa.

– A discussão de nomes é prematura, o que precisa consolidar nesse momento é um projeto. O Podemos vai começar a fazer essa caminhada para ter um projeto que possa ter aderência. Se a discussão entender que o Podemos tem um nome que possa fazer essa competição, depois vai ser avaliado quem será o líder disso. A prioridade agora é construção de uma uma alternativa, por que se assim não for você já diz que o partido vai estar em outro projeto. Não é nenhum demérito, poderá também acontecer. Mas para com uma melhor capacidade, tem que desenvolver isso dentro do partido – disse o prefeito.

Fabrício Oliveira afirmou que o projeto a ser construído não é de oposição ao governador Carlos Moisés (PSL), mas uma alternativa. Fez críticas à gestão da pandemia do coronavírus pelo governo estadual.

– Tirando a questão dos respiradores e a questão moral do uso dos recursos, tem algo que foi determinante, principalmente para os gestores municipais, que foi a aproximação com as pessoas. Não foi uma crise da saúde. O gestor tem que tratar a crise de maneira sistêmica: saúde, emoção, retomada econômica. Senti essa falta no governo do Estado.

O prefeito disse não acreditar nos rumores de que o ex-juiz e ex-ministro Sérgio Moro possa disputar a eleição de senador em Santa Catarina pelo Podemos. Citou o ex-deputado federal Paulo Bornhausen, presidente de honra do Podemos-SC, como outro possível nome para a majoritária.

Sobre a disputa federal, Fabrício Oliveira defendeu a reeleição do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Em 2018, ainda filiado ao PSB – partido declaradamente adversário do atual presidente -, ele já havia declarado apoio a Bolsonaro ainda em primeiro turno. Disse que o cenário de hoje não apresenta alternativas concretas, inclusive no próprio partido. O Podemos já flertou com Moro, o apresentador Luciano Huck e o governador gaúcho Eduardo Leite (PSDB) para a disputa presidencial.

– Há um ciclo a ser completado e esse ciclo deve ser mantido dentro do cenário que está se apresentado. O rompimento disso pode atrasar ainda mais do que a pandemia já atrasou o desenvolvimento do nosso país – acredita.

Ouça a íntegra da entrevista na Rádio Som Maior: 


Sobre a foto em destaque:

Com agendas em Criciúma, o prefeito Fabrício Oliveira (Podemos) concedeu entrevista ao vivo no estúdio da Rádio Som Maior. Ele colocou seu nome à disposição para eleição majoritária em 2022, mas disse que é hora de falar de projetos, não de nomes. Foto: Vitor Netto, Som Maior.