Passados 18 anos, Fernando Coruja está de volta ao PDT. Foi no partido de Leonel Brizola que ele se elegeu prefeito de Lages em 1992 e chegou à Câmara dos Deputados em 2002. Por divergências internas, deixou o partido e seguiu sua carreira política no PPS (atual Cidadania) e no MDB, legenda em que cumpriu seu último mandato como deputado estadual – encerrado em 2018. Agora, volta ao PDT para ser o nome do partido para composições majoritárias em 2022.

Na entrevista a Upiara Boschi e Adelor Lessa no quadro Plenário, da rádio Som Maior, Coruja explica a relação histórica com o PDT e porquê decidiu retornar ao partido que deixou, segundo ele, por uma “desavença ocasional”.

– O PDT saiu de mim, mas eu nunca saí do PDT – disse Coruja, lembrando admiração por Leonel Brizola.

Coruja acredita que a legenda terá um papel importante em 2022 por ter candidato a presidente da República – Ciro Gomes – e porque a o fim das coligações nas eleições proporcionais pode beneficiar partidos mais ideológicos. Disse estar à disposição para uma candidatura majoritária e não quis avaliar a expulsão da deputada estadual Paulinha e a relação do PDT com o governo de Carlos Moisés (PSL).

– A ideia no PDT é ter uma candidatura ao governo, ao Senado, ou uma composição de centro-esquerda – disse o ex-deputado.

Ouça a íntegra da entrevista à Rádio Som Maior:


Sobre a foto em destaque:

Ex-prefeito de Lages, ex-deputado federal e ex-deputado estadual, Fernando Coruja volta ao jogo político com a filiação ao PDT. É o nome do partido para uma composição majoritária. Foto: Fábio Queiroz, Agência AL.