Dono do maior resultado eleitoral do PSDB catarinense em 2020, reeleito prefeito em Criciúma com 72,3% dos votos, Clésio Salvaro garante que não pretende deixar o cargo para concorrer na eleição majoritária em 2022. O tucano foi entrevistado pelos jornalistas Upiara Boschi e Adelor Lessa no quadro Plenário, na Rádio Som Maior, na manhã desta quarta-feira, quando afirmou apoiar a pré-candidatura do ex-deputado estadual Gelson Merisio pelo PSDB ao governo. Clésio também surpreendeu ao declarar como “sonho do tucanato” a filiação da empresária Luiza Trajano para concorrer à Presidência da República.

Perguntei ao prefeito que projeto poderia fazê-lo renunciar ao mandato e concorrer na eleição majoritária em 2022. Ele disse que nesse momento não vê nada que o faça deixar a prefeitura de Criciúma e que já disse isso ao PSDB-SC.

– Passamos em 2020 por um processo eleitoral, uma eleição que não deveria ter acontecido. Foi uma falta de bom senso do Tribunal Superior Eleitoral de não ter prorrogado o mandato dos gestores. A própria urna confirmou: 78% dos prefeitos foram reeleitos. Mas teve uma eleição e uma campanha eleitoral no meio de uma pandemia. Nosso foco ainda tem que ser esse. Ano que vem vamos ter eleição, é natural que alguém no terceiro mandato, eleito e reeleito, prefeito de uma das maiores cidades de Santa Catarina ser lembrado. Agora, eu não sei o que me faria renunciar ao mandato com um terço dele cumprido para concorrer á eleição. Eu não vou concorrer e essa posição deixei manifestada ao PSDB, comandado no Estado pela deputada federal Geovânia de Sá. Eu disse com muita clareza que não pretendo ser candidato a nenhum cargo na majoritária.

Clésio afirmou que está alinhado com o PSDB no apoio à pré-candidatura do ex-deputado estadual Gelson Merisio, que disputou o governo em 2018 pelo PSD e foi derrotado no segundo turno por Carlos Moisés (PSL).

– Merisio colocou seu nome e recebeu essa condição de percorrer o Estado e conduzir o partido para a eleição do próximo ano. A princípio nada me atrairia a ponto de renunciar à prefeitura. Até porque tenho muitos compromissos e ainda tenho idade. Posso me encontrar na eleição de 2026. Quero apoiar um candidato que tenha o compromisso de ser mais municipalista. Que as ações do Estado sejam feitas através do prefeito, que seja desburocratizado. Um Estado que gaste menos com a máquina pública e mais na vida dos catarinenses, que atraia novos empreendimentos. Tenho conversado com o Merisio, que é o nosso pré-candidato, e vamos elaborar uma agenda muito positiva.

O prefeito de Criciúma garantiu que não há conflito pela postura oposicionista de Merisio em relação ao governador Moisés, que recebeu apoio do tucano no processo de impeachment. Clésio diz que a divergência foi pontual.

– Eu sou o grande defensor da soberania popular, que o voto da urna. Talvez porque eu tive um mandato roubado em 2012, reeleito com a maior votação da história de Criciúma. Talvez por eu ter passado por esse inverno, eu tenha criado comigo uma condição do respeito à soberania popular, claro que com respeito à legislação. No caso do governador Moisés, bem ou mal, ele foi eleito com a maior votação da história de um governador. Há que se respeitar isso. O fato de Gelson Merisio estar contra Moisés não quer dizer que eu esteja do seu lado. Pensar diferente faz parte da política e da democracia. Mas nós convergimos mais do que divergimos.

Sobre a eleição nacional, Clésio disse esperar que o PSDB opte por uma candidatura presidencial de “alguém do bom senso, alguém intermediário, que respeite o Congresso, as instituições, que respeite à ciência, mas não faça desta pandemia que está levando milhares de pessoas à óbito um vetor para tirar vantagens eleitorais na frente”. Perguntado por Adelor Lessa sobre quem seria seu escolhido entre o governadores João Dória (SP) e Eduardo Leite (RS) e o senador Tasso Jereissati (CE), pré-candidatos tucanos, ele trouxe o nome da empresária Luiza Trajano, dona do Magazine Luiza e sem filiação partidária.

– Permita que eu inclua um por minha conta: a Luiza Trajano de candidata a presidente e o Tasso Jereissati de candidato a vice. Esse seria o sonho para eu ir lá na convenção e fazer uma defesa veemente. Alguém que enxergue o país um pouco mais à frente. Luiza Trajano é o sonho do tucanato.

Ouça a íntegra da entrevista:


Sobre a foto em destaque:

Clésio Salvaro disse em entrevista à Rádio Som Maior que não pretende renunciar ao cargo de prefeito de Criciúma para concorrer em 2022 e que apoia a pré-candidatura de Gelson Merisio (PSDB). Foto: Vitor Netto, Som Maior.